Trombose Induzida pela Vacina

A vacinação completa contra a COVID-19 diminuiu hospitalização e morte em 80% no Reino Unido e até 94% nos Estados Unidos no fim do primeiro semestre de 2021. Em fevereiro de 2021 – efeitos adversos pela vacina baseada em vetor viral de adenovírus (distribuída pela Astra-Zeneca) foram detectados em pessoas previamente hígidas. As manifestações clínicas foram trombose em locais atípicos (vasos abdominais e cerebrais) associado a trombocitopenia (queda do número de plaquetas no sangue).

Em abril de 2021, complicações similares foram detectadas em alguns indivíduos vacinados com a vacina baseada em vetor viral de adenovírus distribuída pela Johnson & Jonhson.

Essa síndrome (conjunto de sinais e sintomas que caracterizam um evento clínico) trombótica associada a queda no número de plaquetas no sangue foi descrita como Trombocitopenia Trombótica Imunológica induzida por Vacina 
(VITT – abreviatura em Inglês).

Observação: Até o momento, essa síndrome (trombose com plaquetas baixas) não foi descrita em relação às demais vacinas.

No Brasil, até o mês de maio de 2021, haviam 3 casos suspeitos, ainda em investigação para confirmação diagnóstica. Mas esse cenário tende a aumentar em virtude do maior conhecimento da condição.

Perguntas Frequentes:

Mas o que é uma Trombocitopenia Trombótica Imunológica?

Essa síndrome resulta de uma reação imunológica onde o organismo daquele que recebe a vacina, forma anticorpos contra um fator plaquetário, desencadeando uma série de eventos que levam a um quadro trombótico.

Mas é importante saber:

  • Não está associada ao vírus Sars-Cov2
  • Não está relacionada ao contato prévio com o vírus Sars-Cov2
  • Aparentemente não está relacionada a outras comorbidades
  • A maioria dos casos ocorreu na primeira dose da vacina

Quais são as manifestações mais comuns da trombose induzida pela vacina?

Habitualmente a manifestação clínica inicia 4 a 28 dias após a imunização.
A maioria dos casos (38-80%) se apresenta como trombose de veias cerebrais, cujas características clínicas são dor de cabeça de forte intensidade, alterações visuais, paralisia, vômitos. Sintomas de trombose de vasos abdominais: dor abdominal, náuseas e vômitos. Sintomas em outros sistemas: falta de ar e inchaço nas pernas

No entanto, para confirmar a VITT são necessários exames laboratoriais para confirmar:

    • O distúrbio de coagulação
    • A baixa quantidade de plaquetas
    • Anticorpos contra fator plaquetário

Qual a mortalidade da trombose induzida pela vacina?

A mortalidade pode chegar até 20% de mortalidade. Grande parte por complicações hemorrágicas cerebrais.

Já tive trombose, devo evitar de tomar a vacina da AstraZeneca?

Em princípio não há evidência atual de maior risco para desenvolver a VITT. A não ser se a sua trombose tiver sido relacionada aos fatores imunológicos descritos previamente (HIT – Trombose trombocitopênica Induzida por heparina, por exemplo). Neste caso, é recomendado o uso de outra classe de vacina.
Observe que as tromboses trombocitopênicas imunológicas são muito raras.
A maioria dos eventos trombóticos são de origem diferente a essa causa imunológica.

Já tive trombose, preciso tomar anticoagulantes ao tomar a vacina da AstraZeneca ou Johnson & Johnson?

Pelo que temos de informação hoje, não é necessário.
Por outro lado, se você for convocado(a) para tomar a vacina e estiver em uso de anticoagulante para tratamento de uma trombose, não é necessário parar a medicação.
Procure seu médico para ele orientar o melhor horário para que a vacina seja aplicada, considerando que é uma injeção intramuscular.

Tenho uma trombofilia, devo evitar de tomar a vacina da AstraZeneca?

Ao que sabemos atualmente, não!
Lembre-se que a VITT é um fenômeno imunológico. Fazendo uma comparação grosseira é como uma “alergia”. Atualmente não é possível prever quem será acometido.
Por outro lado, a taxa de eventos tromboembólicos nos acometidos pela COVID é muito alta (variando entre 16-42%). Não vale arriscar não tomar a vacina sob o medo de ter trombose.

Tive trombose venosa nas pernas 15 dias após tomar a vacina da AstraZeneca. Foi devido a vacina? Devo me preocupar?

Qualquer trombose deve ser considerada uma evento significativo. Algumas tromboses são mais graves que outras, dependendo onde ocorrem. E elas podem ocorrer em qualquer vaso sanguíneo do organismo. Você deve se tratar com um Angiologista/Cirurgião Vascular/Hematologista.
Por outro lado, para ser considerado VITT, critérios laboratoriais devem ser contemplados. Ainda não há evidência que essa classe de vacina (com vetor de adenovírus) cause outro tipo de trombose que não aquela associada a trombociteopenia (contagem baixa de plaquetas).
O mais importante é procurar ajuda profissional médica.

Existe alguma característica predisponente à Trombose Induzida pela Vacina (VITT)?

No princípio, havia uma referência de que mulheres jovens estariam sob mais risco, no entanto, com o maior conhecimento da doença, parece que ainda resta uma discreta predominância de mulheres sobre homens (1,4 /1 ), mas o fator idade não foi tão importante para aqueles abaixo dos 70 anos de idade.

Estou grávida, posso tomar a vacinada AstraZeneca?

Atualmente (junho de 2021), o Ministério da Saúde só autoriza a vacinação de gestantes com outra classe de vacinas. Isso decorre do fato de um dos casos em investigação ter ocorrido em gestante.

Resumo

  • A Trombose Venosa Induzida (VITT) pela vacina é uma síndrome de muito baixa incidência. Mais baixa que muitos outros fatores de risco trombóticos mais frequentes no dia-a-dia das pessoas e, indiscutivelmente mais baixa que a doença COVID-19.
  • É um quadro grave, com mortalidade significativa mas, por enquanto, está associada às vacinas que usam adenovírus como vetor viral (AstraZeneca e Johnson & Johnson).
  • A trombose relacionada à vacina não está associada a fatores previamente identificáveis  como trombose venosa prévia, trombofilia ou outras comorbidades.
  • O diagnóstico da Trombose Induzida pela Vacina necessita de comprovação com exames laboratoriais.

Considerações Finais

  1. Como tudo relacionado à COVID-19, há mais dúvidas que certezas.
  2. O que sabemos atualmente pode mudar nos próximos dias, semanas e meses.
  3. Na dúvida converse com seu médico.

dc

Links de referências aqui usadas:

https://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMe2106315?listPDF=true

https://cdn.ymaws.com/www.isth.org/resource/resmgr/ISTH_VITT_Guidance_2.pdf

https://cdn.ymaws.com/www.isth.org/resource/resmgr/news/ISTH_VITT_Flow_Chart_Final.pdf

https://doi.org/10.47326/ocsat.2021.02.28.1.0